Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Doces Tentações

Página para adultos, com textos que procuram seduzir e levar o leitor ao extase.

Página para adultos, com textos que procuram seduzir e levar o leitor ao extase.

Diagnóstico excitante

Nova imagem.JPG

 

De quando em vez um flash, um relampejo de luz, acompanhado de sons dinâmicos, de movimentos que se ouvem mas que não se entende o que são nem porque são executados. Depois o silêncio e a escuridão, seguidos de mais uma experiência de sons e de luzes por um período de tempo, seguidos novamente de silêncio e escuridão. Segundos? Minutos? Horas? Não consigo identificar a dimensão do espaço temporal que separa estes momentos nem tão pouco a dimensão dos mesmos. Comecei a notar mais movimento. Estou a movimentar-me, mas deitado, preso, imóvel. Abro os olhos e não sei onde estou. Vejo lâmpadas no tecto branco de um edifício. É a única coisa que consigo ver, o tecto, pois estou amarrado, pernas, braços, mãos, cabeça e pescoço imobilizados. Que terá sucedido? Tento recordar-me mas não consigo. Sinto um torpor por todo o corpo. Tudo volta a escurecer novamente, até que ouço uma voz feminina a chamar um nome:

- Alexandre! Alexandre! – Abro os olhos e vejo uma face por cima de mim, a fitar-me.

- Alexandre! – Agora sim, concluí que me chamava. Fiz um esforço para tentar ver melhor esta face e a mesma estava meio turva. Deu para perceber contudo que aquela face estava associada à voz que me chamava. Era uma jovem mulher:

- Alexandre, consegues lembrar-te de alguma coisa? Sentes dores? – Tentei responder, mas não consegui. Tinha os lábios, a língua e toda a boca mais secos que um velho bocado de cortiça. Não conseguia falar, mas mesmo assim procurei gesticular com os lábios. Acenei negativamente com a cabeça, com a pouquíssima margem que a gola cervical me concedia para mover a mesma.

- Estás no hospital. Tiveste um acidente de automóvel. Vamos fazer-te alguns exames e tratar de ti, está bem? – Voltou a dizer a tal voz feminina cuja face que agora já conseguia ver melhor. Que bronca! Tinha tido um acidente! Pensei. De certeza que estourei o carro. Bolas! Ainda não conseguia recordar-me do que tinha sucedido, mas comecei a ficar um pouco mais nervoso, á medida que começava a tomar consciência do que me estava a suceder. Fechei os olhos e fui inundado por imagens numa sequência vertiginosa. Ao princípio não percebi o que se estava a passar nem que imagens eram aquelas, mas passado algum tempo concluí tratarem-se de imagens do acidente. Tudo surgiu na minha cabeça. Tinha sido na auto-estrada. Capotei o carro várias vezes, senti-me como que dentro de uma máquina de lavar roupa, durante o programa de centrifugação. Depois novamente a escuridão. Depois a luz do tecto das urgências do hospital, novamente. Fiquei mais calmo. Afinal estava vivo, apesar de não saber se estava tudo bem, e de estranhar estas perdas de sentidos consecutivas. De repente, novo vulto sobre a minha cara, acompanhado da voz que já era minha conhecida, a única voz de que me recordo de ouvir nas últimas horas, nos últimos momentos:

- Alexandre, como vai isso? Vamos agora fazer um TAC, ok? É só para saber se está tudo bem. – E sem que me fosse dada a oportunidade de responder ou pelo menos tentar, a maca em que me encontrava começou a deslocar-se. Vi o tecto a passar, uma, duas, três, uma quantidade quase infindável de luzes a passar, foi transposta uma porta, foi feita uma curva à direita, depois outra à esquerda e mais luzes a passar. Não fazia a mínima ideia de onde me encontrava. Apenas sabia que estava algures no interior do hospital. A maca parou, abriu-se mais uma porta e senti que tinha entrado numa sala. Estava um pouco mais escuro e não havia mais candeeiros no tecto como nos corredores. Senti que havia pessoas ao meu redor. Alguém disse, sem que para isso se tenha abeirado sobre mim:

- Ó jovem, vamos ter que remover as suas roupas para podermos fazer o exame e examiná-lo melhor. – Portanto irei ficar nú, pensei. Começaram a cortar-me as calças. Depois a minha camisola e a roupa interior. Saiu tudo. Senti-me nú e era uma experiência literal do termo pois, para além de saber que estava nú, não fazia a mínima ideia de quem me observava, se se tratava de uma, duas, ou dez pessoas. Essa é a verdadeira sensação de se sentir completamente despido. Mantiveram-me contudo as amarras que me prendiam as pernas, o tronco, os braços, as mãos e o pescoço. Não conseguia olhar para ninguém, ver ninguém, interagir visualmente com quem quer que seja, como estava, amarrado ao plano rígido em cima da maca. Cobriram-me com um tecido qualquer, não sei se um lençol ou uma daquelas batas que dão ao pessoal para fazer aquele tipo de exames. Depois, ergueram-me e colocaram-me na marquesa da máquina do TAC. Nessa altura, uma profissional feminina abeirou-se de mim. Consegui visualizar a face de uma moça jovem, e bonita. Ela disse-me:

- Agora iremos retirar-nos e vais fazer um TAC, só para ter a certeza que está tudo bem. – Fiquei mais descansado ao ouvir isto. Ouvi alguns passos, a porta a bater e o silêncio, só interrompido pelo ruído de equipamentos eléctricos em funcionamento. Finalmente sozinho, pensei. Senti a marquesa a deslocar-se e gradualmente o interior do arco da máquina de TAC substitui o tecto da sala no que me era dado a ver. Mergulhei nos meus pensamentos, no que me tinha levado ali, no acidente, no meu estado físico, nas repercussões do acidente na minha vida, enquanto a máquina do TAC começava então a emitir uns ruídos, sinal de que estava a funcionar e de que o meu diagnóstico estaria a ser preparado. Levei nisto largos minutos, um quarto de hora, meia hora, não faço ideia. Senti uma letargia a invadir o meu corpo e inevitavelmente fui atacado por uma sonolência potente, impossível de combater. Fechei os olhos e deixei-me embalar nos braços de Morfeu. Adormeci.

Despertei de repente, com o fim do ciclo das máquina do TAC. A sala mergulhou num silêncio profundo. Ninguém me disse nada, a partir da cabine do controlador da máquina. Fiquei assim por largos minutos, ainda parcialmente dentro do túnel da máquina de exames. O silêncio foi finalmente interrompido pela abertura e fecho de uma porta. Fiquei à espera que me dirigissem a palavra, mas nada. Ouvi passos, dados por calçado de ginástica, com solas de borracha. Ouvi os passos a dirigirem-se até mim. Finalmente ouvi uma voz:

- Meu caro rapaz, aparentemente está tudo bem contigo. – Suspirei de alívio.

- Vou só certificar-me fisicamente de que tudo está bem. Espero que não me leves a mal. – Tratava-se de uma voz feminina, erudita, profunda, mas carregada de feminismo. Era uma voz sensual. Senti-me confortável ao ouvir aquela voz. Confiei imediatamente nela e na mulher que a detinha. Pus-me a imaginar uma mulher bonita, de bata branca, por cima de um camiseiro e uma saia pelos joelhos. Adorei aquela mulher naquele preciso momento, mesmo sem a ver, pois não se debruçou por cima de mim, mostrando a sua face. Voltou a fazer-se ouvir, e disse:

- Alexandre, vou proceder agora a um exame físico, localizado, só para me certificar de que está tudo bem. – Ao mesmo tempo que a voz se fazia ouvir. Senti uma mão na minha perna direita, a deslizar perna acima, passando pelo joelho, e depois pela coxa, e sempre a subir. Era uma sensação muito agradável, que me deu imenso prazer. Continuou até à virilha, e apanhou-me bem junto aos testículos e ao meu pénis nú. Gostei mesmo daquela sensação. Senti-me a aquecer e a perder o controlo sobre mim mesmo. O meu pénis começou a ficar quente, a abandonar a letargia a que estava votado. Senti-o a erguer-se no ar, a desafiar a gravidade, o que provocou o comentário da minha interlocutora:

- Mas que bem, vejo que aqui por baixo as coisas continuam funcionais. Isto são bons sinais, Alexandre! – Ao mesmo tempo que ouvia isto, senti uma mão a agarrar o pénis. Suspirei, de forma involuntária.

- Parece que aqui em baixo estamos prontos para a festa. – E aquela mão iniciou um movimento para cima e para baixo, o que me deu imenso prazer.

- Vamos lá então a fazer um pouco a vontade a este menino. – Voltou a dizer aquela voz. Senti-me divido entre entregar-me ao prazer ou repudiar aquilo por que estava a passar, mas era demasiado bom, sentir aquela mão a acariciar-me. Deixei-me ir. De qualquer modo, nada poderia fazer, pois continuava completamente manietado. Aquela voz continuou a fazer-se ouvir, a dizer-me montes de coisas, o que me faria, etc, enquanto continuava a masturbar-me. De repente silenciou-se e eu senti a minha glande presa num orifício quente e húmido. Acabara de me abocanhar o pénis. Que cena do outro mundo, pensei, enquanto fazia um esforço para ceder à enorme tentação de me deixar ir e explodir dentro daquela boca que me trabalhava o pénis com verdadeira mestria, ao mesmo tempo que mão continuava um movimento para cima e para baixo. Tudo isto era mesmo demais. Ultrapassava qualquer dos meus sonhos mais luxuriantes. Absolutamente inédito! Naquele momento decidi que jamais comentaria isto com qualquer dos meus amigos, pois o mais certo seria nenhum deles acreditar neste episódio e reduzir-me ao ridículo de ter mentido e fantasiado com mulheres no meio hospitalar.

Estava a adorar o tratamento de que estava a ser alvo. De repente, ela parou. Calmamente disse:

- Alexandre, parece que está tudo bem. Estás pronto para a próxima fase do exame. – Ouvi o ruído característico de roupas a serem removidas. Senti uma pressão de ambos os lados do meu corpo. Era ela que estava a subir para cima da marquesa! Pensei. E era mesmo verdade. Senti o meu falo a deslizar para o interior de algo apertado, muito quente e húmido. Ouvi um gemido assim que esta fêmea se empalou totalmente em mim. Que loucura, pensei. Agarrou as minhas pernas, o que indiciava que estava de costas voltadas para mim e iniciou um movimento de acima-abaixo em cima de mim. Que maravilha, que enorme prazer estava eu a sentir naquele momento. Senti o meu falo a latejar de prazer dentro daquele vagina que o ía engulindo de forma ritmada e contínua. Tive que fazer um enorme esforço por não me deixar ir em direcção aquele clímax que eu achava cada vez mais inevitável, impossível de contornar e de resistir. Senti a mulher a acelerar os seus movimentos, ofegante, a gemer de prazer. Passado algum tempo, e já a cavalgar-me num galope desenfreado, ela agarrou com força os meus testículos. Num misto de dor e prazer não consegui conter-me e explodi no seu interior, enquanto sentia todo o meu corpo a crispar-se com a enorme dose de prazer que estava a sentir naquele momento. Senti-me a inchar, a ficar com o meu corpo totalmente entumecido com o violente orgasmo que acabara de sentir.

Quando tudo terminou, ela, ofegante, acabou por sair de cima de mim. Ouvi-a a compor a sua roupa e finalmente disse:

- Alexandre, está tudo bem, rapaz. Estás pronto para outra. – Tapou novamente o meu corpo e afastou-se. Ouvi a porta a abrir e novamente a fechar. Fiquei novamente só, em silêncio.

Uns bons minutos depois, ouvi a porta a abrir, seguida de passos na minha direcção. Uma voz feminina fez-se ouvir:

- Alexandre, já vimos o seu exame. Felizmente está tudo bem. Iremos já remover as suas incómodas ataduras. – Eu ainda estava a recuperar daquela experiência sexual absolutamente inédita quando finalmente senti que me libertavam os pés, as mãos, o pescoço. Quando finalmente me encontrei livre, levantei a cabeça e pude ver uma médica morena, absolutamente linda. Disse-lhe:

- Dra, já a sua colega, há pouco, certificou-se de que estava tudo bem comigo, mas muito obrigado.

- Qual colega?

- Não sei, não a consegui ver, apenas sentir.

- Que estranho, Alexandre. Não há aqui mais nenhuma médica para além de mim. Parece-me que necessita de ser submetido a mais exames.

- Venham eles, doutora. Se forem com a mesma profundidade do anterior, poderá manter-me internado por uma longa temporada.

- Que exame, Alexandre? Apenas fez um TAC.

- Sim, doutora. Apenas um TAC….. – E sorri, mesmo com vontade.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub